terça-feira, 29 de junho de 2010

A Chave: o corpo é sagrado

Quando a vossa biblioteca foi arrancada das prateleiras e espalhada, e do vosso DNA só restaram duas fitas com pouquíssimos dados e pouquíssima memória, a vossa sexualidade foi deixada intacta no corpo físico. Foi deixada como forma de reprodução, claro - como forma de manter a espécie em contato com sua própria essência e trazê-la à vida e, no fundo do mecanismo da sexualidade encontra-se uma sequência que pode ser atingida, e que tem sido procurada e mal compreendida por muitas pessoas. Chama-se orgasmo.
O orgasmo foi distorcido de seu propósito original. O vosso corpo esqueceu o orgasmo cósmico que é capaz de atingir, porque a sociedade vem dizendo há milhares de anos que a sexualidade é ruim. Ensinaram-lhes isso para mantê-los sob controle, para impedi-los de buscar a liberdade disponível através da sexualidade. A sexualidade liga-os a frequência do êxtase, que os une novamente à vossa fonte divina e à informação.
A sexualidade ganhou uma conotação de palavrão neste planeta, e este palavrão está arquivado na vossa memória celular. Não apenas nesta encarnação; há milhares de anos vem sendo usado de forma desapropriada. É necessário que limpem toda a negatividade que envolve a sexualidade nesta vida, para experimentar a energia sexual e a expressão sexual nos vossos Eus multidimensionais.
Os vossos órgãos sexuais são avenidas que levam ao prazer e criam frequências que estimulam o corpo e potencialmente conduzem ao Eu espiritual superior. A sexualidade é tão mal compreendida neste planeta que, quando é compartilhada entre duas pessoas, é muito raro existir a intenção de uma ligação espiritual. A sexualidade invoca uma espiritualidade livre que reconhece seu poder criador. Contudo, raramente ela é usada como ponte que os conduz a níveis mais elevados de consciência.
Nós temos conversado com várias pessoas que vêm utilizando a luz. Uma vez encontrado o parceiro adequado, dentro de uma situação monogâmica, elas têm conseguido atingir estados de ser muito elevados. A monogamia funciona muito bem para vocês por causa do nível vibracional em que se encontram. Quando têm muitos parceiros, há uma tendência a ser menos honesto com cada um deles e a esconder a vossa verdadeira essência: compartilham um pouco aqui, um pouco lá, um pouco acolá, espalhando suas sementes. É melhor estar com uma só pessoa, o que não significa a mesma pessoa para sempre sejam leais, abertos e compartilhem tudo com a pessoa com quem estão trabalhando, e sigam com ela até onde for possível. Se for a vida inteira, ótimo.Se não, quando chegarem a um ponto em que não mais se comunicam nem servem um ao outro e sentem que o relacionamento não vai evoluir mais, terminem e procurem outra pessoa que trabalhe com a vossa vibração.
Quando trabalham um-a-um intimamente, desenvolvem a confiança. A maioria das pessoas tem dificuldade em confiar em si mesmas porque não possuem um modelo de comportamento para a confiança. Podem aprender muito sobre confiança num relacionamento porque o relacionamento age como um espelho mostrando-lhes, a partir do outro, o que não conseguem enxergar a partir do vosso ponto de vista. Mostra-os vistos de fora, quando se abre a comunicação através da sexualidade e da intimidade profunda e quando não estão usando a sexualidade como simples distração. muitas pessoas usam a sexualidade como distração e como forma de fugir da intimidade, em vez de desenvolvê-la. Quando começam a receber energia, a olhar nos olhos da outra pessoa e a sentir calor e excitação, em vez de explorar um ao outro intimamente e espiritualmente, fecham o chakra do sentimento, vestem a vossa armadura e fazem sexo genital, superficial, pois é muito amedrontador e muito intenso aprofundar-se na rota da união plena dos dois corpos e dos dois espíritos. Às vezes uma relação sexual quente é uma delícia, é maravilhoso. Nós só estamos dizendo que existe mais. Existe muito mais e ninguém esta impedindo que experimentem, quem os impede são vocês mesmo, vossos preconceitos e o medo de derrubar vossas barreiras e limites.
Muitos dos medos que sentem baseiam-se naquilo que vocês mesmos criaram para si e naquilo que fizeram para os outros na vossa vida sexual. A vossa história sexual afeta todas as outras partes da vossa alma e, como tudo o que acontece com a alma, é transmitida em alto e bom tom por todo o corpo. Parem de se julgar, adotem uma posição neutra em relação a suas atitudes anteriores - não importa o que descobrirem, não importa se parece terrível, não importa que seja difícil, e não importa quanta violação envolve. Compreendam que o vosso propósito foi reunir dados e conhecerem a si mesmos.
A sexualidade é uma frequência. Representa aquilo que não foi roubado de vocês, embora a vossa história, memória e identidade tenham sido pilhadas e espalhadas. A capacidade de descobrir quem são foi deixada intacta, e o caminho para essa descoberta é a experiência sexual. É claro que isso nunca lhes foi ensinado. As igrejas tornaram-se organizações empresas com o objetivo de controlar a religião e o desenvolvimento espiritual, como também de criar empregos, uma hierarquia, um clube. Pouquíssimas igrejas têm o propósito de informar o povo. Vocês normalmente não pensam em religião como algo que os mantém informados, pensam? Qualquer religião que traga informação está operando na vibração da verdade.
Os planos espirituais são lugares de existência aos quais o corpo humano não tem acesso. Como a sexualidade era uma oportunidade para que os seres humanos recuperassem sua memória, se unissem a seu Eu espiritual, ao criador espiritual e encontrassem a avenida que conduz ao plano espiritual, as igrejas chegaram e anunciaram que a sexualidade destinava-se exclusivamente à procriação. Ensinaram-lhes que a única razão da existência da vossa sexualidade era a reprodução.
A sexualidade foi considerada uma coisa muito ruim. Disseram às mulheres que a sexualidade era algo a que tinham de se submeter para servir aos homens, e que elas não dispunham de controle sobre o processo da reprodução. Elas acreditaram; por isso, até hoje, vocês acreditam não possuir controle sobre esta parte do vosso corpo. Decisão e intenção é que concretizam as experiências do ser humano. Vocês podem determinar quando ter, ou não ter, um bebé. Se a mulher tivesse percebido que possuía essa capacidade no decorrer dos últimos milénios, se tivesse sido capaz de explorar seu Eu sexual sem medo de engravidar, homens e mulheres talvez tivessem descoberto que eram muito mais livres do que lhes foi induzido a acreditar.
A descoberta da frequência mais elevada da sexualidade tem origem no amor. Nada tem a ver se o relacionamento é homo ou heterossexual. Tem a ver com dois seres humanos dando prazer um ao outro e com isso abrindo novas frequências de consciência. Vocês compraram muitas idéias sobre o que é adequado e o que é inadequado na expressão sexual.
O amor é a essência a ser criada em todos os relacionamentos. Se você ama e respeita uma pessoa, não importa sua composição de densidade. O que importa é a vibração do amor e como você explora esse amor, essa união que ocorre com a integração das partes masculina e feminina formando a chama gémea.
O ideal é que a sexualidade seja explorada através dos sentimentos. O terceiro e quarto chakras ligam vocês ao Eu emocional e compassivo, que os liga ao Eu espiritual. O Eu espiritual é a vossa parte multidimensional - através da qual existem em várias formas simultaneamente. A vossa missão, o vosso compromisso e tarefa consiste em estar consciente dessas realidades na identidade em que se encontram. Quando estão conscientes podem sintonizar-se com diferentes frequências, podem lembrar-se de quem são e alterar a frequência vibratória deste universo.
Nós gostamos muito de falar sobre sexualidade devido ao mistério que a cerca neste planeta. Certas escolas esotéricas guardaram secretamente algum conhecimento sobre o potencial da sexualidade. vocês são criaturas eletromagnéticas e, quando se unem fisicamente a outra criatura humana, somam as frequências eletromagnéticas. Quando as vossas frequências estão sintonizadas e unidas pela vibração do amor coisas incríveis podem acontecer.
Há milênios, quando a sociedade possuía uma visão mais matriarcal em determinadas áreas do planeta, a energia da Deusa podia chegar e trabalhar dentro de certos indivíduos. A mulher tinha consciência de sua força, sua intuição, seu chakra do sentimento, sua ligação e seu desejo de criar vida.
Ela sabia, também, que jamais teria de conceber um filho se não fosse essa a sua intenção. Para que a sociedade patriarcal pudesse se estabelecer, e a Terra estivesse preparada para essa transformação de consciência, a energia feminina teve de adotar uma posição secundária. Assim, a força feminina, a energia, a compreensão da sexualidade foram suprimidas. Nos tempos modernos - os últimos dois mil anos - as mulheres que habitavam o planeta não acreditavam poder controlar a natalidade, consideravam a sexualidade perniciosa e repulsiva, achavam que o sexo só poderia ocorrer dentro dos laços matrimoniais, etc.. Isso tudo foi uma campanha publicitária.
Antes do vosso DNA ser rearranjado, a maneira pela qual muitas pessoas atingiam os planos superiores, e conseguiam subir as escadas de si mesmas para alcançar as frequências extra-planetárias, era pela união eletromagnética através do amor. Elas criavam uma experiência semelhante a um foguete que as lançava em outros sistemas de realidade. Este foi um dos maiores segredos do planeta guardados a sete chaves.
Conversamos com muitas pessoas que já tiveram experiências sexuais de absoluta profundidade. Desejamos salientar que não estamos fazendo distinções ou julgamentos em relação a seus parceiros, e gostaríamos de sugerir que vocês também não o fizessem. Esse tipo de programação está superado. Não tem a menor importância o fato de se unirem a uma pessoa do mesmo sexo ou do sexo oposto. Estamos falando da união de dois seres humanos, da maneira mais apropriada que encontram para ligar-se fisicamente e criar amor, porque estão partilhando amor. Quando integridade e amor estão faltando numa união de corpos humanos, os seres humanos começam a não gostar da experiência. Isto pode criar toda a espécie de resultados nocivos no corpo físico.
Foi-lhes permitido ficar com a frequência do orgasmo na sexualidade para que pudessem lembrar-se da vossa identidade superior. Quando essa energia, ou a história de cada um de vocês, for revelada e descobrirem quem são, vão unir diversos corpos da vossa identidade pessoal multidimensional na forma física. Para receber o impacto total da estrutura da vossa identidade, deixem as doze hélices se acomodarem no corpo e permitam aos filamentos de códigos-luminosos se rearranjarem. Este processo está ligado ao corpo mental que, é evidente, liga-se ao corpo físico. O corpo emocional, ligado ao corpo espiritual, é o corpo que todos querem evitar.
Vocês estão ligados a seus Eus multidimensionais através das emoções, e é nestas mesmas emoções onde primeiro esbarram e ficam presos. Aceitem a vossa "bagagem" emocional, ela tem uma razão de existir. Muitos gostariam de embrulhar sua "bagagem" emocional e jogá-la no lixo, como se fosse uma coisa muito feia e não fizesse parte de vocês. Essa "bagagem" é a porção sombria da vossa identidade que não querem aceitar e com a qual nem querem conviver.
Nós compreendemos quando, às vezes, dizem: "Detesto essa parte de mim. Quero acabar logo com isso, varrer tudo para baixo do tapete e esquecer. Chega dessa história!" Mas lembrem-se, a vossa "bagagem" - os vossos assuntos pessoais - são os tesouros da vossa vida. Vocês aprendem com eles.
Concordaram em mudar, em atrair luz para o vosso corpo e a receber a Família da Luz neste planeta. Uma vez que luz é informação, vocês precisam lidar com todas as coisas que esconderam de si mesmos. A sexualidade é o primeiro tema, pois se trata do vosso Eu secreto - o Eu de quem vocês se escondem. A sociedade disse a vocês: "Isto é bom. Isso é ruim. Podem fazer isso. Não podem fazer aquilo." De onde vieram essas leis? Aliás, quem fez todas as vossas leis?
Vocês ficam presos por não conseguirem ler os símbolos da linguagem que falam consigo mesmo. Por isso alongam as vossas histórias, só gostam delas porque distraem a vossa atenção. Se não tivessem uma história, quem conversaria com vocês? Observem o vosso corpo e percebam o que ele lhes está ensinando. O ideal seria que curassem suas mazelas, criando bem estar e alegria à medida que fossem aprendendo a permanecer mais centrados no vosso corpo e a adquirir uma nova identidade da vossa sexualidade.
A sexualidade é a chave. É a porta de entrada para os anos superiores da consciência. Quando se redefinirem, quando os filamentos de códigos-luminosos lhes derem uma nova definição de si mesmos, vocês vão mudar o vosso comportamento sexual. A sexualidade vai aflorar em todos e a nossa experiência nos permite dizer que esta é a área que vocês atualmente mais temem. Garantimos que, no futuro, outras áreas mais amedrontadoras surgirão.
Se estão obcecados pelo tema do amor e não conseguem compreender o que está ocorrendo, saibam que a vossa dificuldade consiste em procurar o amor fora de vocês. Estão procurando uma outra pessoa que dê significado a suas vidas e os autorize. O não ter essa pessoa, os faz sentir irritados, inúteis, sem valor. Este foi o padrão em que cresceram, que seus pais e a sociedade lhes apresentaram. Repetimos que o mais importante é amar a si mesmo e respeitar a Terra. Mas vocês esquecem e continuam procurando o próximo relacionamento que esperam torna-los inteiros, completos. Acham que sem um companheiro serão menos aceitos pela sociedade e assim começa a solidão. Precisam aprender a ficar sós. A solidão é um estado mental. Vocês nunca estão sozinhos. Existem milhões de entidades à vossa volta. Se parassem de sentir pena de si mesmos, descobririam que existe uma quantidade enorme de informação sendo constantemente enviada, e a vossa vontade seria, sem dúvida, estar sozinhos para poderem receber os contatos.
Quando amam a si mesmos e param com a obsessão de encontrar uma outra pessoa para amá-los, são capazes de aceitar o que os outros têm a oferecer. É imprescindível valorizar-se, para não começar um novo amor disfarçado. Se se decidem por um companheiro, se desejam vibrar com alguém e não recebem o que estão querendo, nada de resmungar, reclamar, fazer biquinho e querer que a pessoa mude de acordo com as vossas necessidades. Se estabelecem um ideal para si mesmos e ele não acontece, simplesmente mudem a vossa realidade e sigam em frente sozinhos até encontrar alguém que reflita esse ideal. Enquanto isso, vibrem em amor por si mesmos, respeitem-se e percebam que a jornada aqui na Terra visa o auto-conhecimento através do relacionamento com outras pessoas, não apenas com casais, marido e mulher. A jornada aqui é dedicada a respeitar o vosso corpo físico e a singularidade do vosso Eu, à medida que vão cruzando com as vidas de outros seres. Permitam-se trabalhar com o Eu, deixem o vosso Eu evoluir.
Vocês têm medo da intimidade consigo mesmos - de estar sozinhos com o Eu. Uma vez desenvolvida essa intimidade, o silêncio, o amor por si, a contenção da própria energia, irão estabelecer esse mesmo aspecto de intimidade como padrão de intimidade com outra pessoa.
A sexualidade pode ser muito confusa nos dias de hoje, porque vocês estão elevando e estudando as suas frequências. Quando corpos se juntam, mesmo que seja através de um abraço, há uma troca de frequência. Quando têm uma experiência sexual, há uma liberação e hormônios dentro do corpo. Os harmónios despertam determinadas energias dentro das células, que provocam uma transferência da essência de urna pessoa para a outra. É por isso que, quando têm urna relação sexual com alguém, nem sempre conseguem eliminar a energia dessa pessoa. Mesmo não querendo estar com a pessoa, a experiência sexual permanece com vocês, porque houve urna troca eletromagnética.
Vocês vão seguindo através desta modulação de frequência, aprendendo corno elevar a vossa frequência para um local de informação consistente, amor por si mesmos e intimidade consigo. Pode parecer muito confuso e até amedrontador unir essa vulnerabilidade toda, que estão aprendendo sobre si mesmos, com outra pessoa, mas quanto mais se tornarem conscientes, e dominarem o uso do vosso corpo, melhor irão saber onde ligá-lo, onde sentar-se e, sem dúvida, com quem unir-se sexualmente.
Se agora a expressão da vossa sexualidade incentiva e aumenta o vosso crescimento, automaticamente irão criar essa experiência para si mesmos porque estarão prontos para ela. Precisam saber que, durante o processo de evolução do Eu ocorre frequentemente um período de dormência na atividade sexual. Dentro da frequência sexual a urna troca. Assim, se existe uma união e uma troca química com uma pessoa que não está na vossa sintonia, vocês estão recebendo todo o lixo dessa pessoa, porque estão trocando energia com muita intimidade.
Às vezes vocês se afastam dessa espécie de troca. Podem pensar: "Que coisa, o que está acontecendo? Será que estou ficando velho? Será que estou ressecando? O que houve?" Nada disso. Vocês podem aprender a usar a energia que os estimula sexualmente sem dá-la para outras pessoas. Em vez de entrar no caos e na loucura, podem explorar essa energia através da arte da masturbação, sabendo que é perfeitamente válido e saudável fazê-lo. Ou simplesmente observar quando sentem uma excitação sexual e decidir o que fazer com ela. Podem dizer: "Bem, não vou trabalhar isso agora. Vamos ver para onde vai esta energia. Peguem a energia, deixem-na subir pelo corpo e usem-na em outras áreas.
Vocês vão chegar a um ponto em que devem venerar, sustentar e amar a si mesmos como se estivessem carregando um bebezinho recém-nascido em seus braços, sabendo que estão dando o melhor de si mesmos. Muitas pessoas se dispersam. Encontrem um local de serenidade e silêncio onde possam encontrar respostas às vossas perguntas. Não irão conseguir encontrar respostas fazendo perguntas a todo mundo ou falando o dia inteiro no telefone. Se fizerem isso demonstram que estão procurando fora de vocês. Quando aprendem a voltar-se para dentro de si para encontrar as respostas, o Eu falará. Normalmente não conseguem ouvir porque estão trancados dentro de padrões de comportamento que já sabem ser necessário mudar, mas falta-lhes coragem para enfrentar o desconhecido.
Com a maior honestidade, vocês têm medo de si mesmos. Isso é muito comum. Têm medo de não estar completos, e vocês querem muito ser completos. Então dizem: "Estou completo. Sou soberano. Preciso de alguém. Estou atraído por alguém. Não! Não quero ver! Tenho muito medo disso! Não preciso de ninguém. Não, eu preciso sim!" Vocês vão para a frente e para trás. Aprendam a aquietar vossa mente. Aprendam a ter o controle total da vossa energia. O que isso significa? Significa que, onde quer que vocês estejam, estão observando a si mesmos - a postura do vosso corpo, o movimento das mãos, estão se repetindo muitas e muitas vezes, se estão falando ou em silêncio. Aprendam a observar-se sem julgamento. Aprendam a observar-se (constatando como são) e a corrigir-se (determinando como gostariam de ser). Aprendam a silenciar a mente.
As frequências são transmitidas de uma pessoa para outra, especialmente se houver uma ligação de amor. Uma ligação de amor não significa grudar-se no outro para sempre. Significa simplesmente que existe um relacionamento enquanto o considerarem apropriado, em que há respeito mútuo, troca de energias e que estas energias podem fluir livremente num circuito aberto. Quando vocês não se amam e não estão ligados, não há troca positiva, o circuito não se abre. Isso não significa que não possam ter prazer no sexo; significa simplesmente que o circuito não está aberto.
Com a elevação da corrente elétrica, os orgasmos vão ficando cada vez mais intensos e longos; o corpo humano consegue atingi-los e mantê-los porque o sistema nervoso é capaz de sustentar frequências orgásticas altíssimas. O sistema nervoso que determina como você se expressa e sente. Se você tiver um sistema nervoso pouco evoluído, sua experiência sexual será muito limitada, pois é ele o condutor da corrente elétrica. O orgasmo cura e realinha o corpo físico.
Os anos sessenta marcaram a abertura da exploração sexual. Imediatamente, o paradigma mudou. Grande parte da energia que se encontrava no planeta naquela época, somada à ingestão experimental de diferentes substâncias alucinógenas, criou instantaneamente um novo paradigma que os separou das gerações precedentes. Os limites deslocaram-se instantaneamente. Estavam separados de uma geração que acreditava em guerras e não tinha sentimento - uma geração cuja expressão sexual ocorria no escuro e talvez com muitas roupas cobrindo o corpo. Vocês escancararam o paradigma de muitas maneiras, estabeleceram novas tendências e novas maneiras de ser. Foi maravilhoso.
Agora chegou o momento de uma nova revolução global, através da qual vocês vão se unir vibracionalmente a uma pessoa. Acabou a sexualidade leviana, o fingimento de sensações - acreditar que se é sexualmente liberado por ficar nesta e naquela posição, dizer isso ou fazer aquilo, isto não passa de aeróbica na área da sexualidade. Nós queremos que entrem na aeróbica e nas contorções da alma - a vibração. A profundidade de duas pessoas atingindo o orgasmo simultâneo e unindo-se nessa capacidade é o que todos desejam. Se existe medo, é devido à falta de um modelo de comportamento. Vocês devem projetar um. Precisam acreditar que, de alguma forma, a energia do projeto cósmico, instantaneamente, irá provocar um novo movimento baseado no desejo de dar o passo seguinte em direção ao auto-conhecimento.
Vocês vão lembrar com grande clareza as expressões da vossa sexualidade em diferentes realidades quando foram homens e mulheres e exploraram a sexualidade em todos os aspectos. É necessário muita coragem para fazer isso. Se existe uma área em que se julgam a si próprios, e onde o planeta também julga, é a área sexual. Vocês têm idéias muito defini¬das sobre o que é próprio e impróprio sexualmente. Por isso, muitos de vocês podem ficar chocados ao se lembrarem do que fizeram com sua sexualidade.
Compreendam que, neste planeta, a sexualidade sempre foi o elo que ligou o corpo a vossa frequência mais elevada. Apesar de grande parte dos dados ter sido desmontada e espalhada dentro do corpo, o potencial de criar a vida permaneceu intacto, para que pudessem compreender inteiramente quem são no âmago do vosso ser. A vibração sexual tem sido a ligação com a vossa identidade cósmica, mas esse conceito global tem sido completamente incompreendido e perdido. Estamos informando que existe uma história muito maior e muito mais emocionante do que qualquer um ouse imaginar.
Existem pessoas que não querem entrar em sintonia com essas frequências, pois elas podem levá-los a áreas de liberação onde começam a compreender as coisas. A sexualidade foi-lhes deixada como frequência, onde vocês seguindo pelo sistema nervoso, podiam ligar-se à mente superior e sair do corpo. Se soubessem que esse era o caminho para fora, quem poderia tê-los controlado ou manipulado?
Precisam limpar a conotação negativa e os julgamentos que tingiram a vossa experiência sexual por eons. Precisam fazer as pazes com o sexo para integrar as frequências e a identidade. Houve tanta manipulação e limites tão estreitos foram estabelecidos, que a verdade da sexualidade foi escondida de vocês. Disseram-lhes que poderiam procriar e ter orgasmos, mas não lhes contaram que poderiam abrir frequências com ela. Podem contatá-la e usá-la como método para se lembrarem quem são e alterar a frequência vibratória do vosso corpo.
Nos próximos anos, a expressão da vossa sexualidade terá adquirido toda uma nova dimensão. Irão evoluir e crescer se tiverem um companheiro que também queira seguir pela mesma estrada e estar tão aberto.
Autora: Barbara Marciniak
Publicado em: Mulheres e Deusas

sábado, 26 de junho de 2010

O Deus Pagão dos Cristãos

Hoje [dia 24] é a festa de João Batista que, na tradição cristã, agiu como iniciador de Cristo pelo sacramento do batismo. O nome "João" vem do hebreu "Yohanen" significando "vindo das águas".
A história de João Batista parece ser um eco de uma his´tória pagão muito mais antiga - a história de Oannes, o Deus-peixe iniciador dos Babilônicos. De noite, Oannes se ergueria do mar e, como outros Deuses mensageiros, ensinaria arte, linguagem e ciências. Estas duas figuras, Oannes e João Batista, dividiam não apenas o nome, mas uma funçãoT(iniciação pela água). Na história cristã, é Jesus quem se torna o mensageiro de Deus, mas mesmo no século II, os Evangelhos afirmavam: "Agora o povo estava cheio de expectativa e todos perguntavam em seus corações se João não seria o Messias”.
De fato, muitos cristãos no Oriente Médio erma batizados não em nome de Jesus, mas em nome de João/Oannes.
Existem mais pistas pagãs em volta da figura de João Batista: ele foi decapitado e sua iconografia era centrada na cabeça cortada. Isto pode parecer concordar com várias tradições do Oriente Médio e Célticas quanto à veneração de uma cabeça decepada. Os cavaleiros templário, também, eram suspeitos de adorarem uma cabeça cortada e descrita como tendo as mesmas propriedades do Santo Graal. Vale a pena dizer que a palavra "graal" vem da palavra em latim "prato [ou travessa-NT] raso de serviço" (não um copo) e é em um travessa que a cabeça de João Batista era tradicionalmente desenhado (e para deixar a materia mais interessante, se João era o Messias, então tal vasilhame certamente continha o "sangue de Cristo").
Há outro João/Oannes no panteão cristão: João Evangelista, cuja festa é no solstício de inverno, coincidindo com o par do Rei Azevinho e o Rei Carvalho descritos por Robert Graves no livro "A Deusa Branca".
Para ser claro, eu não estou falando de história aqui, mas mito: como estas histórias se entrelaçam e dançam juntas, como elas flirtam uma com a outra através das crenças e culturas vizinhas e são reinterpretadas e ilustradas usando motivos familiares. A batalha perceptiva entre o Paganismo e o Cristianismo é um revisionismo recente e histórias que tornam a cultura ocidental serem desordenadas, confusas, suculentas e mágicas como qualquer outro empreendimento humano.
Fonte: Wild Hunt

sexta-feira, 25 de junho de 2010

Fases do buscador

1 - Uma pessoa leiga se interessa por Wicca. Esse interesse se torna muito grande, quase uma obsessão de busca de informações. Esse geralmente é o momento em que se identifica o Chamado da Deusa, ou seja, a Deusa esta chamando aquela pessoa para conhecê-la e se aproximar Dela.

2 - O novato começa a pesquisar, conversar , ler, aprender. Vai juntando conhecimento, gosta do que lê e um dia resolve experimentar fazer um ritual. Daí gosta e começa a praticar celebrando no mínimo sabbats e esbats. Vai aperfeiçoando seus ritos.

3 - Chega um dia em que ele gosta tanto das celebrações que começa a considerar tomar o caminho do sacerdócio wiccaniano[sic]. Dai é que ele começa a considerar a hipótese de uma futura iniciação. Nessa altura ele já aprendeu que para chegar a Iniciação ele precisa passar pela Dedicação.

4 - Na verdade, durante a Dedicação é que o novato vai passar pelo chamado PROCESSO INICIÁTICO, ou seja, vai vivenciar todas as coisas que vão transforma-lo em um Iniciado. Isso tem a ver com pratica magica, conhecimento da Deusa e do Deus, conhecimento de si mesmo e auto-equilíbrio, construção de um Eu mágico e tudo que ele significa.

5 - Dedicação pode ser definida como um compromisso simples em que você vai aprofundar sua vivência com os Deuses Antigos e experimentar viver como vive um sacerdote ou sacerdotisa. Uma boa definição é que a Dedicação é o namoro para conhecer os Deuses, para saber se você quer mesmo se casar com eles pra sempre, que é o que significa a Iniciação.

6- Você vai ficar como Dedicado o tempo necessário para que todas as mudanças que precisam acontecer rolem. Para entender essas mudanças, você precisa compreender que é um processo de Despertar. Um leigo é um Adormecido, um Iniciado é um Desperto. É no processo Iniciático, durante a Dedicação, que ele vai passando pela transformação de adormecido em desperto.

7- Na minha experiência, e já acompanhei de perto ou de longe mais de uma centena de processos de dedicação, um leigo demora em média 3 anos para chegar ao Despertar. Por isso eu já falo hoje para quem me pede dedicação que nem pense em se iniciar com um ano e dia, é uma perspectiva bastante irreal, pelo menos na minha avaliação. Eu sou uma Iniciadora muito exigente, e a cada ano me torno mais exigente, porque vejo o quão prejudicial é para a vida das pessoas e das tradições quando pessoas não vocacionadas acabam passando pela peneira da iniciação e a fazem sem ser algo muito pensado.

8- Quando o processo inciático está ok, ou seja, a pessoa alcançou o mínimo necessário para poder ser iniciada, ai se coloca a decisão que mudara sua vida para sempre: ela quer se iniciar e ser uma sacerdotisa/sacerdote dos Antigos, um instrumento consciente deles no mundo e servi-los? Se o amor da pessoa pelos Deuses for tão grande que ela aceite essa tarefa, então ela deve se Iniciar e saber que servirá os Deuses para sempre com todos os seus recursos, da melhor maneira que puder.

9 - No dia da Iniciação termina o período da Dedicação. Mas se a pessoa futuramente quiser se dedicar em alguma outra tradição de bruxaria, dai a cada tradição que entre haverá um período de dedicação especifico. Mas isso é só para os doidos que praticam mais de uma tradição ao mesmo tempo, ok? Isso exige muitíssimo mais da pessoa e demanda uma vocação muito maior e uma entrega total. Não é muito comum, o mais frequente é que a pessoa passe só por uma tradição ou pela auto-iniciação uma vez apenas.

10 - O processo de auto conhecimento, estudo, prática etc não termina com a Iniciação, pelo contrário! Depois da iniciação ele se intensifica e muito! Um recém-iniciado é alguém que apenas esta começando o caminho, ele vai caminhar muito, aprender muito. Nessa hora da iniciação é preciso manter a humildade e a auto-crítica. Há recém-iniciados que se acham super-poderosos e começam a fazer coisas suicidas, tipo dedicar logo dez pessoas.

É preciso que os recém-iniciados percebam que estão apenas no começo do caminho, e não se achem os "sábios". Já vi muita gente com bom potencial se perder e se danar de verdade por causa dessa ilusão de poder que a iniciação traz... Muito cuidado!

Autora: Mavesper Ceridwen, em texto da Sociedade Wicca

Nota da casa: Este tópico é uma continuação e um complemento ao excelente texto "Formando iniciadores e iniciados", de autoria desta mesma sacerdotisa. Realmente, um texto que encerra primorosamente o tópico.

O mito de Ganymedes

As analogias no formalismo das iconografias de Ganimedes e Scanda comprovam que a sua análise pode ser um elemento importante para a mitologia comparada.
Por sua vez, estas só não serão mais do que meras coincidências fortuitas difíceis de explicar se postularmos que tiveram um passado comum em cultos de iniciação pascal de morte e ressurreição solar. Obviamente que a posterior separação geográfica do mito comum terá feito algumas alterações que, por sua vez poderão ter alguma significação importante na explicação evolutiva do mito. Scanda parece ser uma versão mais arcaica porque se transporta no pavão de Juno levantando a suspeita de que faria parte dum mito matriarcal do tipo da “virgem e o menino”! O facto de a Juventude / Ganimedes ter deixado de ser Juventa / Hebe no mundo greco-romano revela uma reconversão do mito a uma ideologia explícita de tipo patriarcal que se terá iniciado com a queda do mundo micénico que o mito hindu ainda não manifestaria inteiramente.
Na mitologia grega, Ganimedes era um príncipe de Tróia, por quem Zeus se apaixonou. Nas imediações de Tróia, o jovem cuidava dos rebanhos do pai, quando foi avistado por Zeus. Atordoado com a beleza do mortal, Zeus transformou-se em uma águia e raptou-o, possuindo-o em pleno vôo. Ganimedes foi levado ao Olimpo e, apesar do ódio de Hera, substituiu a deusa Hebe e passou a servir o néctar aos deuses, bebida da imortalidade, derramando, os restos sobre os homens. Em homenagem ao belíssimo jovem, Zeus colocou-o na constelação de Aquário.
A verdade é que este mito arcaico relativo ao “nascimento do deus menino” ainda contado aos jovens hindus terá sido sempre uma forma escandalosa do nascimento abrupto do deus menino protágono da luz primordial, Fanes ou Pan. Por isso este deus menino seria filho do Fogo e de Galateia, a noite iluminada apenas pela Via láctea. Este “deus menino” em fogo rubro ora subiria em cânticos de alegria festiva nas festas dos rapazes do solstício de inverno como o jovem rubro de pudor[...]
O mito grego contado em idênticos ritos de passagem seria ainda mais explícito em termos de pederastia iniciática e apoteose do patriarcado. Na verdade o patriarcado apareceu como conhecimento iniciático do papel fecundante do macho dominante como garantia da fertilidade animal, ou seja, como mito rústico de pastores. Os gregos terão ido muto mais longe na ousadia do delírio da secundarização da mulher na fecundidade animal ousando acreditar que Zeus se fartou de ser servido pela sua filha Hebe pensou na modernice de ter um escravo humano como copeiro e súcubo privado. Em vez fazer um filho à criada ou à filha Hebe, como até ai faria qualquer mortal, teria tido a ousadia de gerar sozinho um filho divino fecundando um belo espécimen humano. E é assim que a iconografia clássica do mito de Ganimedes acaba como um culto ao patriarcado na forma de pederastia iniciática homossexual.
[...]Se Platão deu conta de que a homossexualidade explícita do mito de Ganimedes poderia envergonhar tantos os deuses como a cultura helénica apressadamente atribuiu o mito aos cretenses. Ora, ao faze-lo deixou-nos uma nova informação: a de que a celebridade do vício sodomita cretense era sobejamente conhecida no mundo antigo confirmando os vários mitos recolhidos[...]
Obviamente que o mito de Ganimedes se cruzou com o equivalente hindu na época do início da civilização micénica que terá coincidido com o fim desastroso não apenas da talassocracia minóica como da civilização mundial que esta ajudaria a sustentar desde o mar Egeu até à civilização de Harapa. Assim sendo, é pouco provável que o mito de Ganimedes tenha surgido na época da fundação de Tróia a menos que esta remonte à época em que Tântalo seria neto de Crono / Saturno.
Plouto (a riqueza) era uma Ninfa de Monte Sipulos na Lídia (Anatolia) filha de Cronos que foi amado por Zeus ou Tmolus e assim concebeu Tantalos, o primeiro Rei de Lídia. De acordo com Heródoto, Manes foi o primeiro Rei mito da Lídia. O filho dele era Atis ou Atullos, o Atlas grego ou Tântalos. O reino de Lídia era notoriamente rico, o que levou os gregos a chamarem à sua deusa tutelar, que seria Cibele, como deusa da cornucópia, da Riqueza (grec. Plouto) e da Abundância.
O interessante é dar conta que Manes seria uma referência à dinastia cretense do lendário rei Minos que foi também o primeiro rei lendário do Egipto. Assim, duma assentada temos o mito de Atis frígio misturado com o do sardónico Talos que seria o guardião de bronze da Atlântida platónica e ambos com Atlas e Tântalo reportados para a época dourada dum Saturno cretense onde seriam afinal comuns os sacrifícios humanos e o rapto de crianças ora para sacrifícios humanos ora para pederastia iniciática.
Obviamente que os mitos sempre permitiram leituras em diversos níveis de interpretação como era próprio da fase da oralidade onde a memória era traiçoeira. De facto, no que diz respeito a correlação entre Ganimedes e Scanda a mitologia da etimologia indo-europeia fará algum sentido enquanto fase comum indo-ariana da linguagem europeia da periferia das regiões cultas do mediterrâneo oriental e do crescente fértil. No entanto, esta origem se fosse menos mítica manifestaria uma relação mais clara no nome dos deuses hindus da juventude, o que não acontece.
Em conclusão, Ganimedes seria um jovem príncipe filho de deus que os gregos depois da idade das trevas já ignoravam e que confundiram com um belo troiano quando andaram por aquelas paragens na guerra que motivou a ruína da cultura arcaica. O que os gregos perderem neste mito foi o seu carácter proeminente como celebração do culto do “deus menino” nas festas do solstício de inverno!
Na verdade, é possível que Ganimedes fosse em tempos arcaicos uma variante de Hermes e de Horus ficando assim explicado o facto de ter aparecido na Índia como tendo um irmão gémeo como teria sido em tempos o caso de Hermes e Apolo.
Visnu, pai hindu destes gémeos, seria um deus arcaico do fogo como Vulcano / Hefesto, herdeiros e descendentes de Enki, se é que não se trata de suas variantes! Como deuses do fogo, fabricariam o Soma, o licor da eterna juventude na mitologia clássica pelo que, estes deuses eram os legítimos descendentes dos esposos das potinijas de antanho.
No entanto, fosse por ter sido empiricamente descoberto que os enjoos da gravidez lhes eram contrários, fosse porque o precioso líquido, enquanto estimulante da coragem, teria passado a ser importante na estratégia militar, o certo é que as mulheres perderam o controle sobre as bebidas fermentadas e o direito ao exclusivo do seu fabrico que passou em determinada altura a ser um segredo militar.
Ao mesmo tempo, e por força das alterações sociais que a criação do instituto militar autónomo acarretara à vida social, o seu estatuto começaria a alterar-se passando a ser, no domínio doméstico, donas de casa e/ou concubinas, que é como quem diz, criadas de dentro, ou cortesãs de fora (do palácio); no domínio da gens e da tribo, prostitutas de “taberna e tabernáculos” mas, mesmo aqui, já menos isso, pois a concorrência masculina intensificava-se em resultado do gosto por rapazes que os guerreiros cretenses e depois gregos, relaxados pela paz burguesa e confinados aos limites procriativos da etreiteza de horizontes das superpovoadas ilhas jónicas, começavam a explicitar com algum orgulho aristocrático! Enfim, a homossexualidade seria uma forma empírica de controlo da natalidade.
Este facto pode constituir um rasto do de expiação simbólica do crime de matricídio cultural perpetrado pelo patriarcado emergente e que teria que ser redimida com a tragédia do rapto, não tão mítico como se poderia pensar, duma criança destinada ao sacrifício cruento para serviço de escravo à mesa dos deuses. Primeiro, na fase heróica da cultura grega, como «pajens» destinados à instrução militar na condição básica de servos, cocheiros e impedidos dos guerreiros adultos. Mais tarde, em época de prosperidade democrática, para a prática desportiva nos ginásios em regime de criados para todo o serviço cívico, público e privado.
Então, para não incorrer nas mesmas suspeitas, Hebe ou mudou de sexo ou então... foi a cultura grega que mudou de preferências à mesa, obviamente que não inteiramente, nem sequer principalmente, mas em grande quantidade de vezes!
Fonte: Numância

Hierós, hágios, hósios

Hierós

Este termo remete às coisas que permitem a aplicação das condições necessárias para a realização do rito. Trata-se de formas casuais ou circunstanciales, e não essenciais, do sagrado. Assim, um lugar pode se voltar sagrado ao tempo de uma cerimónia (o lugar de um sacrifício), inclusive um objecto da vida quotidiana (a faca para degolar à vítima sacrificial) ou inclusive um homem (o oficiante). Efectivamente, o sacerdote (ou ἱερεύς / hiereús) não é um homem fora da sociedade civil: o clero não há que falar dele como uma casta social senão como uma função administrativa da sociedade grega. Com freqüência, o sacerdote, efectivamente, não é mais que um servidor público sacado a sortes ou eleito para um ano, o sacerdocio aparece como um cargo do Estado, essencialmente efémero (o do sacerdote de Eleusis era o mais célebre). Durante seu mandato, o sacerdote não é investido de suas funções mais que durante os actos litúrgicos, e não fora destes momentos. Não existe, ademais, clero grego jerarquizado e organizado como instituição autónoma, o sacerdocio aparece como uma função essencialmente pública.
Este aspecto essencialmente ocasional do ἱερός / hierós ajuda ao entendimento do sustantivo plural τὰ ἱερά / ta hierá que pode remeter também segundo o contexto aos «actos do culto», aos «lugares de culto» ou inclusive aos «objectos do culto», ou globalmente «às coisas consagradas ao culto».

Hágios

Este termo poderia ser traduzido pelo adjectivo santo. Caracteriza o que é definitivamente afastado da vida quotidiana e do mundo comum por sua pureza. Opõe-se em isso a ἱερός hierós. É notável que seja o termo que se usa em grego moderno para designar aos santos cristãos. Um lugar pode ser definitivamente ἅγιος hágios, é então o τέμενος teme-nos, termo derivado do verbo τέμνω, témnô, «cortar», e significando literalmente «cercenado». O téménos é, efectivamente uma zona, um lugar, um lugar de tamanho variable que lho tem separado do domínio humano, voltando assim definitivamente aos deuses. Com freqüência, um lugar volta-se téménos após uma teofanía, aparecimento ou manifestação divina, podendo estar realizada por um fenómeno natural como o raio, um prodígio qualquer, ou todo o acontecimento ou fenómeno simples ao qual se lhe atribui rasgos virtuosos por pura interpretação. O espaço do téménos, porque não deve ser mancillado, é rigorosamente delimitado, com freqüência grosseiramente com pedras ou a colocação de marcos. Não se pode entrar mais que em um estado de pureza e com respeito às proibições, variables de um lugar a outro; um santuário aparece desde então sistematicamente como téménos. Originalmente, o téménos (seu primeiro sentido está em Homero) designava também uma porção de terra reservada aos heróis ou ao monarca para lhes assegurar seus rendimentos. Trata-se, guardadas as distâncias, de um feudo medieval.

Hósios

Este último termo connota a ideia de permisión. É ὅσιος / hósios o que está prescrito ou permitido pela lei divina. Um ser voltado impuro por causa de uma mancha, é excluído dos ritos e tem proibido entrar em um téménos, volta a ser hósios após ser lavado desta mancha. Em plural e substantivada, a expressão τὰ ὅσια tà hósia («ler coisas hósios») designa «as leis divinas», por oposição a τὰ δίκαια tà díkaia, «as leis humanas».

Fonte: Wikilingue

quinta-feira, 24 de junho de 2010

O mito de Hyakinthos

Do wikipédia, eu traduzo o verbete Hyacinthia:
A Hyacinthia durava três dias. O primeiro dia era de lamentação pelo morte do herói [Hyakinthos, aportuguesado para "Jacinto"]: sacrifícios eram oferecidos, o banquete era autero e sem pompa ou decoração, os pães sacrificiais eram modestos.
O segundo dia era a celebração de seu renascimento. Diversos sacrifícios eram oferecidos, exclusivamente bodes, com a ocasião dos kopis, banquetes onde os cidadãos convidavam seus amigos e familiares.
O terceiro dia não é descrito em detalhes, é possivel que fosse mais solene, ou que mistérios fossem celebrados.
A Hyacinthia foi um grande feriado religioso em Esparta.
O mito de Hyakinthos bem como o de Ganymedes são crenças sagradas da Grécia antiga que envolvia o amor entre um homem e um jovem, a pederastia.
Sócrates estudou este processo e desenvolveu o chamado Chastitas Pederastia, que é uma relação de amor casto entre um jovem e um adulto do mesmo sexo (normalmente um guerreiro mais velho e o aprendiz de soldado, especialmente nos exércitos gregos). Mas este “amor” a que ele estava se referindo não era o amor homoerótico (que incluía sexo), mas sim o amor fraternal de um Mestre de Guilda para com o Aprendiz.
A Igreja deturpou a palavra “pederasta” como sinônimo pejorativo para homossexual.[Marcelo del Debbio]
Designava, na Antiguidade grega, uma instituição existente em praticamente toda a sua história embora com diferentes visões, segundo a área geográfica, que variavam desde a aceitação total até a recusa absoluta. A própria natureza do relacionamento variava entre o estritamente erótico, sem qualquer tipo de intercurso sexual, até o ato sexual como única razão de ser da relação.
Em algumas situações, a pederastia era vista como uma questão de fascínio estético; em outras era inserida na educação dos adolescentes do sexo masculino, rapazes de famílias de boa posição social, por parte dos pedagogos - varões maduros, a relação entre erastes e eromenos - o erastes era um homem aristocrata envolvido em um relacionamento com um adolescente do sexo masculino denominado eromenos. Geralmente estes pedagogos tinham o papel de mestres para estes rapazes, ensinando-lhes algum ofício.
Em outros casos, era conveniente para uma família que seu filho homem pudesse conseguir um mestre de prestígio, e desta forma ascender socialmente. Com freqüência, o relacionamento entre ambos ultrapassava a mera amizade, ganhando contornos de relacionamento amoroso e, por vezes, também sexual e de poder do mestre sobre o adolescente. Esses relacionamentos eram tão difundidos na Grécia Antiga que Platão os considerava como um elemento de distinção entre a civilização helênica e as culturas bárbaras. Porém o costume não foi institucionalizado na Grécia até o século VII AC, quando o casamento era proibido ou fortemente desencorajado para os homens com menos de 30 anos.[wikipédia]
Em várias de suas lendas Apolo tomou amantes masculinos, o que refletia a cultura grega antiga, onde o homossexualismo masculino era socialmente aceito e tinha, entre outras funções, um caráter pedagógico e ritualístico de grande importância. Um homem maduro, o erastes, escolhia um jovem, o eromenos, e fazia dele ao mesmo tempo amante e discípulo, tornando-se seu iniciador nos mistérios da vida adulta e nas suas responsabilidades sociais. Assim que surgissem os sinais da puberdade o jovem era declarado adulto e a relação se rompia. Ele então casava com uma mulher, constituía família e assumia por sua vez o papel de erastes, tomando para si um jovem eromenos e continuando a tradição.[wikipédia]
Nós não podemos interpretar os mitos e as crenças antigas conforme as nossas necessidades, temos que entender e perceber as circunstâncias históricas, sociais, sagradas e religiosas em que estas existiam.De acordo com Nobuo Komita, Hyakinthos era um Deus que existia antes de Apolo e era adorado em Amicleia, na Lacônia. Hyakinthos era um Deus da Vegetação que foi substituído e assimilado com a chegada do culto a Apolo, depois da conquista dos Dórios.
Todas as formas de sexualidade humana eram consideradas normais nas sociedades politeístas, haviam relações homossexuais nos exércitos e existiam os prostíbulos sagrados.
Depois de muitos anos sofrendo com a opressão, tanto da Igreja quanto do Estado, na década de 1960 (século XX) aconteceu a Contracultura e o mundo conheceu a Revolução Sexual que produziu o Amor Livre, a Amizade Colorida e ajudou a formar condições sociais para a manifestação do feminismo e da homossexualidade. A opção sexual se tornou uma bandeira para a contestação social e política. Essa tendência acabou sendo misturada e enfatizada nos muitos grupos de neopaganismo, bruxaria moderna e wicca eclética que surgiram, muitos disassociados dos princípios da Wica ou de qualquer sentido de tradição. A Antiga Religião resgatada/renovada, depois de tantos golpes sofridos, é esfaqueada por aqueles que alegam segui-la, ao ser distorcida para atender a agendas e vaidades pessoais.
Na cerimônia wiccana nós dizemos: "todos os atos de amor e prazer são meus rituais", uma afirmação e um estatuto, recebidos e celebrados de diversas formas, em diversas tradições, cujo conceito não é bem compreendido e faz com que pareçamos promíscuos às pessoas comuns e aos cristãos fundamentalistas. Tanto para estes quanto para os puritanos infiltrados na Arte é mister dizer que, para cada caso, para cada cerimônia, existem intenções diferentes. Ou seja, na ótica dos Deuses, nossa opção sexual é um assunto que interessa apenas a nós, mas a intenção que será realizada pela cerimônia tem consequências diferentes. O Grande Rito real, executado na cerimônia wiccana tradicional, com um ato sexual entre o Alto Sacerdote e a Alta Sacerdotisa tem por intenção religar o corpo ao seu sentido sagrado e recriar o mundo. Em outros grupos neopagãos e wiccanos, o Grande Rito é executado de forma simbólica por causas evidentes (traumas, tabus, recalques), mas a intenção é a mesma. Em outras formas de neopaganismo e bruxaria moderna, existem cerimônias homossexuais cuja intenção é o de alcançar o caráter extático e produzir vínculos[...].[Erotismo e sexualidade sagrados]
Toda beleza, toda alegria do mundo manifestam-se por uma explosão erótica. Tudo está organizado nos seres vivos em função dessa expressão de prazer, de alegria, de beleza, de felicidade, que é a natureza divina de tudo o que existe. O Eros é o laço de atração que une dois polos opostos e complementares. O ato sexual pode ser um procedimento de identificação mística do mesmo modo que outros meios provocam o êxtase, seu emprego é normal desde que grupo social deseje aliar-se com as forças naturais, representadas por protagonistas sagrados. A identificação com o ser divino no prazer se realiza através dos ritos sexuais, todo ato sexual pode se tornar um sacramento.
No rito, o homem se identifica com o primeiro princípio e a mulher com o outro. Essa união reproduz o Hiero Gamos, o Casal Divino, o Andrógino, bem como o mistério da natureza desse mundo, um mundo que é manifestado e condicionado, em que a humanidade aparece como separados em uma dualidade, vão se unir por um instante. No orgasmo sexual, a lei da dualidade é suspensa, o êxtase ocorre e, no arrebatamento, conduz os celebrantes à iluminação absoluta.[Alain Danielou]
Os mistérios da Wica não incluem qualquer entidade andrógina, não se pode elevar agendas pessoais à condição de sagrado. A homossexualidade é igualmente uma manifestação do Amor, não há necessidade alguma de inventar um Deus para que uma opção sexual seja divinizada ou sacramentada.
A entidade andrógina, nos mitos antigos, serve exatamente para nos lembrar que nós todos somos filhos e filhas da união entre um macho e uma fêmea, todos nós carregamos os gens masculinos e femininos. O que não se pode confundir é gênero genético com gênero fenótipo, identidade genética com identidade ou opção sexual. Não é preciso ser homem ou masculinizado para gostar de mulher, não é preciso ser mulher ou femininizado para gostar de homem. Viva sua vida com plenitude e prazer, pois os Deuses Antigos nos geraram a todos.[O que é Dian Y Glass]

quarta-feira, 23 de junho de 2010

Espelho, espelho meu

Em muitas páginas e blogs de colegas há a divulgação de um dito "mito de criação" da Wicca. Há muita confusão entre o que é genérico e o que é específico. Os articulistas se esquecem ou omitem o autor ou a fonte e desinformam ao público ao informar uma liturgia específica como sendo uma crença genérica.
Esse "mito da criação" foi concebido por Victor Anderson, fundador da Tradição Feri, uma forma de Neopaganismo, incorretamente identificado como Faery Wicca. Esta concepção ganhou público graças à publicação do livro de Starhawk, pela expansão do Dianismo e pela comercialização da Wicca Popular.
Aqui eu teci considerações sobre as falhas da teoria da "religião da Deusa-Mãe", de Marija Gimbutas. Então passo a uma análise do mito que, como tal, não pode ser interpretado literalmente e, diga-se de passagem, não é dogma nem doutrina da Wicca.
Solitária, majestosa, plena em si mesma, Ela, cujo nome sagrado, não pode ser jamais dito, flutuava no abismo da escuridão, antes do início de todas as coisas.
Este trecho é muito parecido ou é uma cópia dos mitos bíblicos. No Gênesis, temos Yahveh igualmente pairando sobre as águas profundas. Uma divindade que paira por sobre algo é uma contradição, pois se tal entidade é uma existência absoluta, não devia existir nada mais além dela mesma.
E quando Ela mirou o espelho curvo do espaço negro, Ela viu com a sua luz o seu reflexo radiante e apaixonou-se por ele.
Novamente, temos uma contradição. Se tal entidade é uma existência absoluta, não haveria espelho, nem reflexo e a imagem refletida não seria outra coisa senão ela mesma. Haveria, então, um reconhecimento, não um deslumbramento.
Nos mitos, o espelho simboliza ora um portal, ora uma armadilha para os espíritos. Então a Deusa viu algo ou alguém, uma outra existência, uma outra dimensão, além Dela mesma.
Ela induziu-o a se expandir devido ao seu poder e fez amor consigo mesma e chamou Ela de "Miria a Magnífica".
Novamente, contradição. Se tal entidade é uma existência absoluta, não haveria para onde haver tal expansão e não se pode fazer amor com um reflexo. Esse auto-erotismo [masturbação?] nos dá prazer, mas não produz geração.
O seu êxtase irrompeu na única canção de tudo que é, foi e será e com a canção surgiu o movimento, ondas que jorravam para fora e se transformavam em todas as esferas e círculos dos mundos. A Deusa encheu-se de amor, que crescia e deu à luz uma chuva de espíritos luminosos que ocuparam os mundos e tornaram-se todos os seres.
Embora existam mitos que falem de Deusas que deram origem a outros seres por partenogênese, ou seja, eram "virgens" e geraram "sem ter conhecido um Deus", estes mitos precisam ser compreendidos e contextualizados dentro do conjunto religioso como um todo. Definitivamente, não é possível que um universo e uma natureza tão múltiplos e diversificados pudessem ser obra de uma partenogênese de uma Santa Ameba.
Mas, naquele grande movimento, Miria foi levada embora e enquanto Ela saia da Deusa, tornava-se mais masculina. Primeiro, Ela tornou-se  Deus Azul, o bondoso e risonho Deus do Amor. Então tornou-se no [Deus] Verde, coberto de vinhas, enraizado na terra, o espírito de todas as coisas que crescem. Por fim, tornou-se o Deus da Força, o [Deus] Caçador, cujo rosto é o sol vermelho, mas no entanto, escuro como a morte. Mas o desejo sempre O devolve à Deusa, de modo que Ela circula eternamente, buscando retornar em amor.
Novamente, contradição. Se a entidade é uma existência absoluta, não teria para onde ser levado este probóscide. Considerando que a separação desta entidade de sua contraparte amada foi provocada pela criação das coisas, é possível pensar em um tipo de sentimento de culpa, algo de que é necessário uma purgação, uma expiação, uma purificação.
Aqui neste blog eu refutei o mito do Deus Azul e definitivamente não há como uma Deusa gerar por partenogênese o Deus. O que se pode afirmar das antigas crenças européias é a existência do Greenman - identificado no mito como o Deus Verde - um dos aspectos do Deus das Bruxas, enquanto Senhor das Plantações e dos Rebanhos. Outro aspecto do Deus é Herne - identificado no mito como o Deus da Força, o Deus Caçador - enquanto Senhor das Florestas e das Feras. Nos mitos antigos, Ele é o Deus dos Mortos e Senhor do Submundo. Este é o aspecto mais misterioso, oculto e sombrio das antigas crenças e nisso há que se ressaltar o acerto do mito ao identificar a imensa escuridão - na qual a Deusa está imersa - o Deus que, através do espelho, se manifesta à Deusa, como sendo uma outra divindade, semelhante mas oposta, contrária mas não antagônica, com quem a Deusa, pelo Hiero Gamos, gera todo o universo, o mundo, a natureza.
A conclusão que eu posso dar é que se está querendo "corrigir" a tirania do Deus Cristão que dominou a humanidade por 2 mil anos através da implantação de outra tirania: a da Jeovulva. Eu não preciso de mais 2 mil anos para saber que disso só pode advir desgraças.

Inti Raymi - a Festa do Sol

Inti Raymi (em quéchua, "Festa do Sol") é um festival religioso incaico em homenagem a Inti, o Deus-sol. Marca o solstício de inverno do hemisfério sul nos Andes onde ocorre o renascimento do Deus-sol. O local central de realização da cerimônia é a fortaleza de Sacsayhuamán (a dois km de Cuzco, Peru), e nas demais nações latino americanas ( Ecuador, Chile...) simultaneamente, no dia 24 de junho de cada ano com duração de 9 dias. Durante a época dos incas, o Inti Raymi era o mais importante dos 4 festivais celebrados em Cusco, segundo relata o Inca Garcilaso de la Vega, e indicava o início do ano assim como a origem mística do Inca. Durava 9 dias nos quais se realizavam danças e sacrifícios. O último Inti Raymi com a presença do Imperador Inca, foi realizado em 1535.
Foi proibida em 1572 pelo Vice-Rei Francisco de Toledo, por ser considerada uma cerimônia pagã e contrária à fé católica, sendo realizada posteriormente de forma clandestina.
Em 1944 foi ralizada uma reconstrução histórica do Inti Raymi por Faustino Espinoza Navarro (que em 1953 fundaria a Academia do Idioma Quéchua). A reconstrução foi baseada na crônica do Inca Garcilaso de la Veja e só se refere à cerimônia religiosa. Desde essa data em diante, a cerimônia voltou a ser um evento público e uma grande atração turística.
No Brasil, os indígenas ecuatorianos e peruanos se uniram para realizar esta grande festa, porem de forma resumida com duração de apenas 24 horas com campeonatos de jogos indigenas, danças, canticos e comidas tipicas.
Convidamos a todas as pessoas ao encontro do 2° INTY RAYMI que se realizará no dia 27 de junho com um pequeno campeonato de futebol. O encontro será no parque D. pedro ( qse ao lado do mercado municipal e ao lado do antigo palacio imperial) onde teremos inumeras atividades.
Ficam todos cordialmente convidados, contamos com sua presença
Os premios serão entregues durante a noite na concha de indor no centro onde haverá um grande baile inty raymi onde o grupo que apresentar a melhor dança recebera premiações.
TUDO POR INTY RAYMI
"RUNA KASHPAKA RUNAKAY ;SHUJLLA SHUNGU; SHUJLLA YUYAY ;AMA CHINGACHISHUN ÑUKANCHI KAUSAYTA"
( pessoas trabalhando para o ben estar das pessoas; trabalhando pela cultura; trabalhando pela lembrança; sem romper os laços de suas origens mesmo com grande distancia de sua terra.)
Autora: Ankakilla Yuraq, publicado na Sociedade Wicca

segunda-feira, 21 de junho de 2010

Patrícios celebram origens pagãs

O Município de Alandroal, no Alentejo, leva a cabo, entre 19 e 27 de Junho, a iniciativa “Por Terras do Endovélico”, tendo por base o importante legado histórico e arqueológico existente no Região, sobre este Deus dos Lusitanos com importante culto na região durante a época romana. Eventos culturais, desportivos e de lazer, como música celta e cinema, palestras sobre a temática e ainda uma mostra gastronómica destacando algumas receitas e ingredientes da época, serão alguns dos atractivos desta iniciativa, à qual se juntam ainda, descontos no alojamento nas unidades hoteleiras aderentes, possibilitando a todos os visitantes pernoitarem neste Concelho “plantado” à beira do Alqueva e assim, desvendarem os ultimos segredos que o Alandroal tem ainda por revelar.
Durante nove dias consecutivos, vai ser possível realizar percursos pedestres de visita aos locais que pretendem mostrar um pouco da rota da antiga peregrinação pré-clássica, acompanhar o trabalho dos arqueólogos que estudam esta divindade, permitindo desta forma apreciar locais de rara beleza paisagística e de relevante interesse histórico como são a Rocha da Mina e o Santuário de São Miguel da Mota.
Visite o Concelho de Alandroal e desvende o último segredo do Alentejo!
Já foi um dos grandes santuários da Ibéria, antes até da era cristã. A câmara quer agora lançar uma marca em torno do Endovélico e recriar épocas milenares através de um miradouro virtual.
"Por Terras do Endovélico" é o programa turístico que a câmara do Alandroal, no Alentejo, vai lançar de 19 a 27 de Junho. Tendo como temática o legado histórico da região em torno do Endovélico, deus celebrado pelos povos que passaram na região antes da era cristã, este programa inclui desde mostras gastronómicas com receitas da época, música, cinema, eventos culturais e desportivos até percursos pedestres pelas rotas da antiga peregrinação.
"O culto do Endovélico é provavelmente o nosso maior factor de diferenciação, o que nos pode distinguir de outras regiões. O Alandroal era a Fátima do período romano em toda a Península Ibérica. Mostrar as terras do Endovélico é um excelente pretexto para chamar turistas cá", salienta João Grilo, presidente da Câmara do Alandroal.
O novo Plano de Desenvolvimento Turístico que está a ser finalizado pela câmara do Alandroal já assenta nesta tónica. "Acreditamos que o ex-libris do turismo no concelho seja o culto endovélico, que já teve no monte de São Miguel da Mota um santuário importantíssimo, mas de que hoje não há vestígios", refere o autarca.
Criar um miradouro virtual em São Miguel da Mota é um dos projectos do presidente da câmara do Alandroal, que neste sentido está a desenvolver contactos com a YDreams, entre outras empresas tecnológicas. "O santuário desapareceu, e não fazia sentido uma reconstituição física no local. A comunidade científica é avessa a isso, e nós partilhamos essa posição", adianta João Grilo.
Reconstituição virtual?
"O facto do local não ter qualquer vestígio do culto endovélico podia ser uma frustração para os visitantes. Mas existem soluções tecnológicas que permitem a reconstituição virtual das várias épocas, desde a ocupação pré-romana, sem que o território fique marcado por uma intervenção", frisa ainda o presidente da câmara do Alandroal.
Um miradouro virtual é a solução "que se afigura mais lógica em respeito pelo visitante e no nosso próprio interesse, que é o de transformar um legado histórico num produto turístico". O sistema assenta num visor a instalar no local, com a reconstituição das diferentes épocas a sobrepor-se à imagem real. Construir em São Miguel da Mota um Centro Interpretativo dedicado ao Endovélico é outro projecto acarinhado pela câmara do Alandroal.
João Grilo quer ainda criar uma casa-museu no Alandroal, para mostrar a riqueza dos achados arqueológicos que têm sido postos a descoberto na região em torno do deus Endovélico, e que datam desde o séc. I. E defende que este museu deverá funcionar em estreita ligação com o miradouro virtual, que gostaria de ver no terreno já em 2011.
"Os turistas poderão depois visitar os locais de culto através de percursos pedestres ou estudar o campo arqueológico onde estão a ser feitos os achados", propõe o autarca.
Fonte: Gladius

O sacerdócio não é degrau

Em duplicidade, para que os católicos não aleguem que houve algum equívoco da Imprensa:
CIDADE DO VATICANO, 20 Jun 2010 (AFP) -O Papa Bento XVI celebrou neste domingo a ordenação de 14 novos sacerdotes da diocese de Roma lançando um duro ataque contra os eclesiásticos que consideram o sacerdócio uma forma de conquistar uma posição social ou de satisfazer suas próprias ambições.
As afirmações do Papa ganharam especial importância na Itália, onde todos os grandes jornais dedicaram suas manchetes à investigação por corrupção em Perusa (centro) contra o cardeal arcebispo de Nápoles, Crescenzio Sepe, e o ex-ministro do governo de Berlusconi, Pietro Lunardi.
"O sacerdócio jamais pode representar um meio para alcançar uma segurança ou conquistar uma posição social", afirmou Bento XVI, que parecia tenso e cansado para os jornalistas que assistiram a missa celebrada na Basílica de São Pedro.
"Quem aspira o sacerdócio para aumentar seu prestígio pessoal e seu próprio poder interpreta equivocadamente o sentido de seu ministério", enfatizou.
Fonte: G1
Cidade do Vaticano, 20 jun (EFE).- O papa Bento XVI reprovou hoje a concepção do sacerdócio como uma forma de assegurar uma estabilidade e uma posição social na vida e como modo de conseguir mais poder e prestígio pessoal.
O pontífice abordou os valores que, segundo ele, devem andar juntos ao sacerdócio, durante uma missa na basílica de São Pedro do Vaticano para a ordenação presbiterial de 14 diáconos da diocese de Roma, da qual Bento XVI é bispo.
"Quem quer, sobretudo, realizar sua própria ambição, alcançar seu sucesso próprio, sempre será escravo de si mesmo e da opinião pública. Para ser considerado, deverá adular; deverá dizer o que gosta para as pessoas; deverá se adaptar à mudança das modas e das opiniões e, assim, se privará da relação vital com a verdade, obrigando-se a condenar amanhã o que há elogiou hoje", acrescentou.
Segundo o papa, um homem que conceba assim sua vida, "um sacerdote que veja nestes termos seu próprio Ministério, não ama verdadeiramente nem a Deus nem aos demais, mas só a si mesmo e, paradoxalmente, termina por se perder a si mesmo".
Bento XVI, que presidiu esta cerimônia em São Pedro antes de se dirigir à oração do Angelus dominical, afirmou que o sacerdócio é fundado na "coragem de dizer sim a outra vontade", sabendo que com isso não só não se perde a originalidade de cada indivíduo, mas também se adentra ainda mais na verdade do ser e do Ministério sacerdotal.
Fonte: G1
Nota da casa: Sessão "me engana que eu gosto" ou o Vaticano está gostando de fazer auto-piada.

20 mil celebram solstício em Stonehenge

Cerca de 20 mil pessoas foram a Stonehenge, na Inglaterra, para marcar, nesta segunda-feira, o solstício de verão, o dia mais longo do ano.
Diferentemente de anos anteriores, o sol, desta vez, conseguiu dar o ar de sua graça, arrancando aplausos das pessoas quando os primeiros raios solares iluminaram o monumento pré-histórico.
A polícia descreveu o evento deste ano como um dos mais seguros e calmos dos últimos tempos.
O comparecimento ao evento foi menor do que o recorde de 2009, quando 36,5 mil pessoas foram a Stonehenge. O grande número foi relacionado ao fato de o solstício passado ter caído num domingo.
Fonte: G1
O Sol atingiu hoje, às 8h28, o ponto mais ao norte de sua trajetória no céu — para nós, no hemisfério Sul, isso marca o solstício de inverno e o afastamento máximo do astro em relação à gente.
A partir de agora, o Sol começa a voltar em nossa direção, até atingir sua altura mais meridional em dezembro, no solstício de verão.
Para quem mora acima do equador, claro, isso tudo se inverte, com o Sol alto no céu hoje e baixo em dezembro. Ao longo do ano, o Sol, se fotografado todos os dias no mesmo horário e de um mesmo local, traça no céu uma figura em forma de “8″, o analema.
Este também é o dia mais curto do ano no hemisfério Sul, e o mais longo, no Norte – isto é, com menos horas de luz natural por aqui, e mais horas por lá. Em São Paulo, o Sol nasceu às 6h47 e vai e pôr às 17h28. Em Londres, em comparação, a alvorada foi às 4h43 e o Sol só se põe às 21h22.
Muitas festas tradicionais surgidas na Europa (e disseminadas pelo restante do mundo com a expansão da civilização ocidental) estão ligadas ao ciclo do analema, como a Páscoa, o Natal e diversas celebrações pagãs.
Autor: Carlos Orsi
Fonte: Estadão

quinta-feira, 17 de junho de 2010

A teoria da invasão ariana

O que a tese da invasão ariana sustenta é que tribos nômades bárbaras, provindas da estepe eurasiana, teriam penetrado por volta de 1500 a.C. pelo noroeste da Índia, arrasando a civilização que aí estava, escravizando os aborígenes e fazendo a cultura local regredir a formas larvais durante mais de mil anos.
A partir do final do século XIX, Max Müller, estudioso alemão, fundador da mitologia comparada e um dos primeiros especialistas em literatura sânscrita, começou a estabelecer uma associação entre comunidades lingüísticas e grupos étnicos. Ele discursava com um certo tom romântico sobre a grande família ariana, falante do proto-indo-europeu, matriz de todas as línguas vivas e mortas desde Oriente Médio até a Escandinávia e Portugal, que teria ocupado o território da Europa e da Ásia, impondo sua tecnologia e modus vivendi superior aos outros povos.
Como outros estudiosos da sua geração, passou anos tentando reconstruir essa proto-linguagem (Ursprache, em alemão), debruçado nos mapas e especulando sobre onde ficaria o lar original (Urheimat) deste povo. A idéia de hordas bárbaras cavalgando pela estepe, ocupando o continente, submetendo e arrasando a ferro e fogo todas as culturas que encontravam no caminho fascinou os estudiosos do século XIX.
Vejamos sua própria opinião: "eles [os arianos] foram os protagonistas no grande drama da História, e elevaram até o mais alto grau todos os elementos da vida ativa de que a nossa natureza é dotada. (...) Em constante conflito entre si e com outras raças semíticas e turânias, estas nações arianas transformaram-se nas senhoras da História, e parece ser sua missão unir todas as partes do mundo pelas correntes da civilização, do comércio e da religião." Infelizmente, esta teoria acabaria por desdobrar-se na funesta explosão racista a partir da qual deflagrou-se a II Guerra Mundial. No final da sua vida percebeu o potencial explosivo e a temível distorção que haviam sofrido suas palavras e tentou retratar-se, mas já era tarde. Infelizamente, podemos considerá-lo um dos responsáveis morais pelo surgimento da onda racista na Europa.
É necessário separar a questão de linguagem, cultura e raça, das especulações que se possam fazer sobre elas, ou ainda do seu uso político ou filosófico, que deve ser totalmente descartado. O grande perigo é acreditar que uma raça possa ser genética ou culturalmente superior às demais. Aliás, a própria palavra raça precisaria ser revista, já que raça só existe uma: a humana. Biologicamente, essa raça humana divide-se em diversos grupos étnicos. Os áryas ou arianos são o povo resultante da somatória de diversos grupos étnicos: o indo-europeu, o drávida, o proto-australóide e, em menor grau, o mongolóide, todos eles falantes de sânscrito arcaico. Quando dizemos ário, não estamos referindo-nos a um grupo étnico, muito menos àquela infaustamente célebre "raça" dita "superior".
A noção racista da palavra ário constitui a mais abjeta perversão do significado original deste termo. Por árya ou ariano entende-se o grupo falante do sânscrito antigo, detentor do conhecimento dos Vedas. Significa nesta língua cultivado, e refere-se, em verdade, não a um grupo racial, nem mesmo à cultura falante desta língua, senão a uma qualidade ou disposição ética: a da nobreza.
Fonte: Dharmabindu

Crianças deveriam aprender sobre sexo

A educação sexual deveria começar a partir dos cinco anos, para que as crianças adquiram a habilidade e confiança necessárias para que adiem o início da atividade sexual até que estejam realmente prontas, disse um relatório do departamento de saúde pública britânico, nessa quinta-feira.
A educação sexual inadequada dada aos jovens tem sido apontada como um dos fatores que mais contribuem para o alto índice de gravidez de adolescentes na Grã-Bretanha, uma das maiores da Europa, apesar de ter tido uma queda de 13 por cento na última década.
A última orientação divulgada pelo Instituto Nacional de Saúde e Excelência Clínica (Nice, na sigla em inglês) é apenas uma sugestão e sua aplicação não será obrigatória, mas a agência espera que as autoridades locais e outros órgãos a adotem.
A entidade disse que as escolas deveriam oferecer informações sobre educação sexual, relacionamentos e o consumo do álcool já no ensino fundamental, que nas escolas britânicas começa a partir dos cinco anos.
"O tema deveria ser introduzido e tratado de maneira adequada, levando em consideração o grau de maturidade e entendimento dos alunos, e deve levar em consideração a diversidade cultural, a religião e as perspectivas da família," diz o relatório.
Educação 'muito ruim'
"Todas as crianças e jovens têm direito de receber uma educação de alta qualidade sobre sexo, relacionamentos e consumo de álcool, que as ajudem a tomar decisões responsáveis e a adiar o início da sua vida sexual até que estejam realmente prontas," diz o estudo.
O relatório citou uma pesquisa do Parlamento Jovem da Grã-Bretanha, que mostra que 40 por cento dos jovens disseram que a educação sexual que recebem na escola é ruim ou muito ruim.
O antigo governo trabalhista que perdeu as eleições no mês passado redigiu uma legislação que tornava a educação sexual obrigatória no ensino fundamental e no ensino médio, mas abandonou a iniciativa no último minuto.
Essas propostas também vetavam aos pais o direito de retirar seus filhos das aulas de educação sexual a partir dos 15 anos.
As mudanças haviam sido duramente criticadas por grupos religiosos e antiaborto que querem que seja dada maior ênfase na abstinência sexual antes do casamento.
Fonte: G1
Nota da casa: Mais uma iniciativa que eu apoio e aplaudo. Eu incluiria programas de orientação e atendimento psicológico para adultos.

Convite para o solstício de inverno

Um colectivo pagão grego lança um apelo a todos os pagãos da Europa e da América, que partilham a mesma matriz etno-religiosa pagã indo-europeia:
«Somos uma organização politeísta da Hélade - Grécia, chamada Thyrsos Hellenes Ethnikoi, e estamos a organizar um evento no dia 21 de Junho no dia do Solstício de Verão, para celebrar nas Antigas Vias o mais brilhante Sol do ano (para os Helenos e os Atenienses em particular, é o primeiro dia do ano novo). O evento tem o nome de Fryktories (Faróis) Para o Sol» e os politeístas de toda a Europa e América estão convidados a dele tomar parte. De manhã (segunda-feira) quando o Sol nascer e os Seus primeiros raios se virem, todos os interessados devem estar numa colina ou montanha ou, se não for possível, junto às suas casas, voltados para o Sol, saudando (ou ainda melhor fazendo um Ritual) com uma tocha acesa ou mesmo uma vela, individualmente ou em grupo.
No caso de o quererem fazer anonimamente, não haverá problema, mas precisamos de saber a cidade e o país. As fotos estarão online no site http://www.thyrsos.gr/ e poderão ser colocadas nos vossos próprios websites, mas apenas se tomaram parte no evento. Precisamos realmente da vossa participação para fazer desta iniciativa um movimento global para o politeísta, seja pessoa ou comunidade, que promova o Caminho dos Ancestrais. Caso necessitem de fazer alguma pergunta, por favor estejam à vontade.
O Thyrsos é a nova forma de uma organização denominada N.Y.S.E.E. – AKAMATON PYR (Juventude do Supremo Conselho dos Helenos Étnicos).
Que os Deuses Brilhem Sobre Vós!
Cumprimentos.
Hellenes Thyrsos
Secretário Geral Evangelos Kioussis
Co-Secretária Hildr Valkyrie Hellas – Grécia.»
Fonte: Gladius