sábado, 9 de março de 2013

Tipos de Politeísmos

Provavelmente um dos maiores debates nas comunidades pagãs é o debate sobre politeísmo duro vs suave. Realmente, ninguém pode resolver isso, ou tem sido capaz de, porque todos nós viemos de diferentes origens e perspectivas sobre o politeísmo.
Para esclarecer, é sobre (e para) aqueles que realmente acreditam que os deuses e deusas são seres físicos, reais. Este post vai ter pouco a ver com os pagãos por aí, que consideram os seres divinos como Arquétipos na mente, mas que na verdade não existe como um indivíduo tal como as pessoas.
Politeísmo suave, como regra, acredita que há um Deus e uma Deusa, indivíduos em si e por si mesmos. No entanto, o PS não considera os deuses e deusas como tendo identidades distintas, mas sim os vê como aspectos de um Deus ou Deusa maiores. Assim, por exemplo, Hera e Frigga são apenas aspectos da Deusa, como seria Freyja, Afrodite, ou Brigid. Para explicar que um aspecto às vezes pode ser um pouco complicado, alguns dizem que é uma "face" da Deusa ou do Deus. Suponho que uma forma moderna de entender isso é que os vários nomes das divindades que temos podem ser visto como "Nomes de usuário" metafísicos dos referidos Deus ou Deusa.
Politeísmo duro funciona de outra maneira. Cada Deus, Deusa, espírito, etc, é uma pessoa individual (bem, exceto espíritos que trabalham como forma de pensamento ou coisa do tipo), assim como as pessoas são. Ares é Ares, Thor é Thor, Freyja é Freyja, etc. Eles não são aspectos, faces ou "usernames" de um Grande Deus ou Deusa.
Eu, pessoalmente, sou um politeísta duro. Principalmente porque eu acredito fortemente no individualismo e, como eu não sou mais um aspecto do Blogger ou do homem, então me parece um pouco insultuoso dizer que Thor é um aspecto dd Deus da Tempestade ou Deus. O Deus das Tempestades [ou o Deus do Trovão, como a cultura pop o representa - NT] talvez seja uma das profissões de Thor, mas tanto como uma pessoa não é apenas o seu trabalho ou o seu sexo, nem é uma divindade.
Isso, para mim, é realmente onde o politeísmo suave tende a bater um pouco na parede ou obstáculo. Na minha experiência, os pagãos, ou crentes em escala maior de qualquer fé, tendem a imitar na vida como nós vemos os nossos deuses. Assim, em observação pessoal, eu tendo a achar que politeístas suaves acreditam que um homem ou mulher deve abraçar todos os "aspectos" do que significa ser homem ou mulher (ou transgênero, como seja o caso), a fim de ter um equilíbrio adequado vida. Um homem tem que ser guerreiro, estudioso, pacifista, provedor, homem sábio, juventude, etc, o tempo todo em uma quantia "equilibrada".
Sim, isso é impossível. É uma idéia bonita, e tudo isso, mas se você é um pau para toda obra, bem, você é um mestre de ninguém. E às vezes você precisa de um mestre de comércio.
Minha própria experiência como um politeísta duro vai para um "amplo espectro" de "equilíbrio". Pessoas podem se "especializar" em áreas onde eles têm uma afinidade natural. Assim, se alguém gosta de agricultura, deixe-o ser um fazendeiro, não insista que ele tem de saber tudo sobre digamos investimentos bancários, gerenciamento de hotel, ou o que seja.
Claro, há um pouco de "segurança" se você vai no politeísmo duro. Veja, você diz que todos os deuses são aspectos de Deus, e todas as deusas são aspectos da Deusa, bem, então porque o Deus e a Deusa não são apenas aspectos de um Deus Uno? Parabéns, você voltou direto ao monoteísmo, que é de propriedade das religiões abraâmicas. Mantendo-se nas idéias do politeísmo duro, é impossível sustentar esse argumento.
Eu não quero discutir com politeístas macios aqui, apenas levar adiante por que eu sustento o politeísmo duro. No entanto, eu não creio que escrever isso vai resolver o debate, que vai continuar. Vamos ver aonde este debate na comunidade pagã vai ter um efeito em todos nós, que nos consideramos pagãos.
Original: "A Heathen's Path".
Traduzido com a ajuda do Gooogle Tradutor.

terça-feira, 5 de março de 2013

Fazendo estoria com H

Eu escrevo estorias e, como bom escritor, não pretendo que aquilo que escrevo seja a mais cristalina verdade.
Como os antigos, eu faço meus próprios mitos e lendas, sem que isto queira dizer que eu minto.
Ainda por luxo, eu crio quadrinhos onde, tal como nos sonhos, eu posso ser quem, o que ou quando eu quiser. Eu não sou tão conhecido quanto Paulo Coelho ou Mauricio de Souza, mas continuo criando.
Historia é diferente, muitos personagens, poucos protagonistas, roteiro beirando o caótico. Teve um teórico que tentou explicar a marcha da história em termos do materialismo dialético. Uma dicotomia muito pobre para descrever a colorida nuância da história. Consequência: sua teoria ficou na história e caducou com o tempo. Podemos perceber isso claramente nos países socialistas ou comunistas, onde a "Ditadura do Proletariado" tornou-se um tipo de monarquia ou caudilhismo. No Brasil então, nem se fala, reina o mais absoluto pragmatismo eleitoreiro.
Nós temos uma criatividade admirável. Construímos nossa cultura e seus produtos. Construímos seus templos, sacerdotes e oficiantes também. Não obstante, não conseguimos tornar reais tantas idéias e ideais, nossa vida diária e social é extremamente medíocre. Por algum estranho complexo, não acreditamos ser merecedores da mesma sorte, fortuna, sucesso e felicidade que nossos personagens imaginários têm. Todos temos um vislumbre de como devia ser uma sociedade ideal, a Utopia, o Paraíso Terrestre. Mas na hora de abrir mão de alguns hábitos, costumes, confortos e comportamentos, desistimos fácil de construir nosso Nirvana.
Do jeito que falo parece fácil, mas não é. Criamos um ambiente artificial para habitarmos e este sistema, este meio de vida, tornou-se tão parte de nós que não damos conta que está nos asfixiando.
Paradoxo interessante este. Para que eu me torne uma pessoa melhor, eu tenho que me matar. Para que, da minha morte, eu renasça e recupere minha essência.